Irmãs dos Pobres

de Santa Catarina de Sena​

Natal: uma oportunidade para curar, perdoar e construir o futuro

O Natal, tempo de reflexão e recordação do lar, apresenta-se como o santuário da família, um lugar onde as raízes da existência se entrelaçam com o calor dos laços afetivos. É uma oportunidade de contemplar o passado, abraçar o presente e planejar o futuro. O Natal é mais do que um feriado: é uma oportunidade de introspecção, de conexão com nossas experiências e de construção de um futuro permeado de significado.

Este é o momento em que nos convida a “viver plenamente o presente” para experimentar a plenitude do momento, abraçando a alegria e apreciando a beleza dos momentos que nos rodeiam.

É tempo de “curar”, porque o Natal abre a porta a uma dimensão terapêutica da família, uma oportunidade para processar o passado, perdoar e seguir em frente. Porque o peso de um passado difícil pode ser um trampolim para um renascimento, abrindo a porta para um futuro que pode ser construído com base em lições aprendidas e esperanças renovadas.

“E o Verbo se fez carne e habitou entre nós (Jo 1,14). Este é o desejo divino de Deus de habitar conosco e em nosso meio. Portanto, a presença de Jesus é o ápice da espiritualidade natalina, sugerindo que a verdadeira graça está em acolher o nascimento de Cristo nas várias dimensões de nossa existência.

Tornar Jesus “presente em nossas vidas” torna-se, portanto, uma profunda oração de conexão espiritual e humana, um desejo de transformar a vida cotidiana em um ato sagrado. Isso implica viver “o ordinário com extraordinária virtude”, como nos ensina a Beata Savina Petrilli. No contexto do ordinário, o Natal torna-se sinônimo de espera, chegada, vida e tempo, pois o Menino Deus não escolhe o lugar de seu nascimento, mas espera corações e casas abertas para acolhê-Lo. 

 Assim, o Natal, longe da pompa material, enraiza na simplicidade do desejo de renascimento e no desejo exigente de uma perspectiva de renovação humana e espiritual para cada ser que n’Ele crê. Feliz Natal do Senhor!

Madre Liliana e Departamento de Comunicação Saviniana